O empreendedorismo em um mundo pós-pandêmico: Sérgio Saraiva

Inovação
Liderança
Q&A
By

CI&T

Sérgio Saraiva é presidente do Rappi no Brasil desde janeiro de 2020. Com grande experiência nas áreas de operações de vendas, tecnologia, pessoas e gestão e é muito engajado em startups, transformação digital em negócios e inovação. Nos tópicos, ele compartilha grandes insights sobre os dias atuais e reflexões sobre o futuro.

Esse é apenas um aquecimento para o nosso evento, em 24/6, que tem tudo a ver com a verdadeira transformação digital e com o futuro: o CI&T BIZ Impact.

Estamos em meio a uma tempestade digital

A tempestade digital foi acelerada de forma significativa por conta dos impactos da pandemia. O lado positivo dessa aceleração tem sido o maior uso das plataformas digitais, a automatização de processos, os famosos robôs, a inteligência artificial e a reinvenção dos negócios para as empresas sobreviverem à crise, além da chegada de novas tecnologias com melhores soluções para adaptação ao cenário imposto pela Covid-19. No entanto, para que essa tempestade digital seja perfeita, precisamos escutar o cliente de forma muito proativa e resolver suas dores e seus problemas atuais. A transformação digital não deve ser um desafio de marketing, mas de gestão, e precisa partir de uma mudança estrutural nas organizações.

O software segue engolindo o mundo (Marc Andreessen, 2011). O Software engolirá os líderes também?

Acho que o software jamais substituirá um líder. Tenho certeza de que o software auxilia em muitos fatores, como nos aspectos gerenciais e processuais, mas jamais no feedback, acompanhamento, empatia, enfim, em tudo o que um líder necessita. Nós, enquanto líderes, precisamos ser cada vez mais colaborativos e nos adaptar às mudanças de valores e hábitos de consumo que estão ocorrendo em todas as indústrias, em escala global.

Os maiores aceleradores do digital e da inovação

Entendo que os maiores aceleradores do digital são os consumidores, que mudaram de hábito e com expectativas diferentes demandam por produtos e serviços inovadores, digitais em sua expressiva maioria. Outro acelerador é a concorrência, que, ao entender os novos hábitos dos consumidores, se esforça de forma muito intensa para atraí-los e retê-los em suas linhas de negócio.

Os maiores blocks

Muitas empresas não tinham estruturas digitais para atender a recente demanda gerada pela pandemia. Por isso, é essencial colocar a inovação e o consumidor no centro de tudo, criando modelos de gestão ou investindo em mudanças e adaptações no produto ou serviço oferecido. Também é necessária uma escuta muito ativa dos clientes para nos anteciparmos aos seus desejos e necessidades. Outro “block”: parte das empresas tradicionais ainda possui um velho estigma de que o erro é fatal e deve ser evitado a qualquer custo. Nós, do Rappi, testamos novas funcionalidades o tempo todo. Os testes e seus resultados, com a resposta dos usuários e informações estatísticas, dirigem as decisões da empresa sobre novas funcionalidades. Essa é uma das grandes vantagens de ser uma startup e não podemos perder isso nunca. É preciso ter cultura de inovação. É preciso inovar agora, porque precisamos pagar as contas agora.

“Quanto mais a tecnologia é protagonista, mais importante é o fator humano"

Hoje, mais do que nunca, as pessoas são vitais em um mundo cada vez mais pautado pela tecnologia. Clientes e colaboradores são a alma e a essência de qualquer negócio. Sem esses dois protagonistas, a tecnologia, por si só, não gera resultados. Tão importante quanto a adoção de tecnologia é o fator humano, assim como o engajamento das pessoas na transformação digital dos negócios. Acreditamos que os únicos diferenciais competitivos de uma empresa no longo prazo são seu time, sua cultura e seu modelo de gestão, porque hoje é relativamente fácil acessar recursos financeiros e comprar tecnologia; já as pessoas, a cultura e o sistema de gestão, não, uma vez que se leva muito tempo para atrair e desenvolver o melhor time para o negócio.

O que inspira Sérgio Pontes

Saber que estamos criando e ajudando a prosperar um ecossistema centrado nas demandas do consumidor brasileiro e que contribui de forma significativa para o giro da economia, gerando oportunidades para milhares de estabelecimentos comerciais e prestadores de serviço. Também me inspira o fato de estarmos constantemente nos desafiando a inovar e prestar serviços ainda melhores aos nossos usuários, e para isso temos que ter cabeça de dono e sermos muito empreendedores. Isso significa que precisamos ter atitude, enxergar oportunidades, perguntar, explorar e buscar sempre melhorar de forma insaciável.

Aprendizados

Diante da situação atual de crise causada pela pandemia do novo coronavírus, a falta de informação só gera mais incerteza. Por isso, o Rappi tem feito uma comunicação voluntária, desde março do ano passado, baseada na colaboração, empatia e proximidade das pessoas apesar do afastamento social. Por isso, a comunicação, principalmente neste momento, é fundamental. O pior comportamento de um líder é o avestruz – enfiar a cabeça no buraco e ficar lá. Temos que nos mostrar abertos.

Saiba mais sobre o evento BIZ Impact 2021.


CI&T